KROT – KROTON EDUCACIONAL S.A.

KROT3

RI: carlos.lazar@kroton.com.br

Site: http://ri.kroton.com.br

A Kroton Educacional é uma das maiores organizações educacionais privadas do Brasil e do mundo, com uma trajetória de mais de 45 anos na prestação de serviços no Ensino Básico e de mais de 10 anos no Ensino Superior. Em 2010, a Kroton adquiriu o Grupo IUNI Educacional, instituição que também atuava na graduação e pós-graduação presencial; em 2011, o destaque foi a aquisição da Universidade Norte do Paraná (Unopar), a maior instituição de Educação à Distância do país, e por sua vez em 2012, o destaque foi a aquisição do Grupo Uniasselvi, que possui atuação tanto no Ensino Presencial quanto na Educação a Distância. Dessa forma consolidando a liderança da Kroton na Educação a Distância.

Atualmente, a Kroton possui 53 unidades de Ensino Superior, presentes em 10 estados e 39 cidades brasileiras e 447 Polos de Graduação EAD credenciados pelo MEC. A Companhia ainda conta com mais de 810 escolas associadas em todo o território nacional, além de cinco no Japão e uma no Canadá, por meio da Rede Pitágoras. Na área pública, a instituição está presente com a marca Projecta, que tem o objetivo de levar educação de qualidade aos municípios brasileiros por meio de programas de gestão, materiais didáticos e avaliações educacionais.

Como investimento social, a Companhia mantém a Fundação Pitágoras, uma organização sem fins lucrativos, que viabiliza projetos educacionais em instituições públicas e privadas. O objetivo é transferir tecnologia de gestão e capacitar os profissionais para melhorar o desempenho dos alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental.

Comprometida com as boas práticas de governança corporativa e de excelência em suas relações com investidores, a Kroton busca assegurar eficiência e transparência na divulgação de informações. Suas ações estão listadas nas Bolsas de Valores de São Paulo – BM&FBovespa (KROT3).

Ingresso no Novo Mercado no ano de 2012.

Anúncios

36 comentários sobre “KROT – KROTON EDUCACIONAL S.A.

  1. Kroton apresenta resultados do 3T16

    Os resultados contábeis do 3T16 consolidam a adquirida Uniasselvi, que deu uma contribuição negativa ao trimestre. Por outro lado, houve atraso na abertura do sistema SisFIES para efetivação das rematrículas dos alunos FIES verificado durante o processo do 2S16. Por tais razões a demonstração dos resultados do 3T16 e do 3T15 podem ser definidos como incomparáveis. O balanço disponibilizado à CVM e Bovespa apresentou um prejuízo líquido de R$ 124,9 milhões, vs lucro de R$ 312,8 milhões no 3T15. A nota enviada pela empresa menciona lucro líquido ajustado de R$ R$ 452,7 milhões no 3T16, um crescimento de 11,1% em relação ao 3T15.

    Curtir

  2. Kroton (KROT3): O lucro líquido ajustado de R$ 505,9 milhões da cia no 1T16 ficou em linha com o esperado pelo mercado, que era de R$ 484 milhões na média das projeções de cinco instituições financeiras consultadas pela Agencia Estado (Bradesco, BTG Pactual, Itaú BBA, Santander e UBS). Já o Ebitda ajustado da companhia, de R$ 606,7 milhões, foi 5,51% maior que o esperado. As projeções apontavam para Ebitda ajustado de R$ 575 milhões. Os analistas consideram os números com ajuste para itens não recorrentes no Ebitda; no lucro, o ajuste também leva em conta a amortização do intangível de aquisições.

    Destaques – Resultados 1T16:

    – O primeiro processo seletivo de 2016 gerou a adição de 282,3 mil novos alunos de Graduação Presencial e EAD (ex-Uniasselvi), representando um aumento 10,1% frente ao 4T15 e uma estabilidade quando comparado com o 1T15.

    – A base total de Ensino Superior (ex-Uniasselvi) permaneceu superior à marca de 1,0 milhão de alunos, apresentando um crescimento de 0,8% e 10,0%, em comparação com o 1T15 e o 4T15, respectivamente.

    – A receita líquida pro forma aumentou 1,9% em relação ao 1T15, apesar da menor receita observada, advinda do Pronatec e da LFG.

    – Na análise pro forma, o EBITDA ajustado alcançou R$ 588,7 milhões, apresentando um crescimento de 15,1% sobre o 1T15. Já a margem EBITDA ajustada pro forma chegou a 48,0%, evoluindo 550 basis points, o que destaca os resultados significativos dos projetos focados em eficiência operacional realizados até o momento.

    – O Lucro líquido ajustado pro forma totalizou R$ 490,5 milhões no 1T16, 16,9% superior ao montante de R$ 419,6 milhões apresentado no mesmo período do ano passado. A margem líquida ajustada pro forma também apresentou um consistente aumento de 5,1 p.p. no período.

    – A geração de caixa operacional do 1T16 foi negativamente impactada ainda em virtude da PN23, além da sazonalidade do fluxo de rematrículas do FIES, o qual deve favorecer de forma acentuada a geração de caixa do 2T16. Nesse sentido, ressalta-se que durante o 2T16 deverão ser registrados o recebimento de cerca de R$ 900 milhões referentes a recebíveis FIES (competências março e abril), o que deve levar a conversão de caixa do primeiro semestre para um patamar substancialmente maior daquele apresentado no mesmo período de 2015.

    – Aprovação pelo Conselho de Administração para a distribuição de R$ 199,3 milhões ou R$ 0,12 por ação em dividendos, o que representa um payout de 35% do lucro distribuível.

    Curtir

    • Kroton (KROT3) / Estacio (ESTC3): A maior companhia de ensino superior privado do pais, Kroton anunciou nesta quinta-feira que está avaliando a compra da rival imediata Estácio Participações em uma operação envolvendo apenas ações. A Kroton informou ainda que já contratou o Itaú BBA e o escritório de advocacia Barbosa Müssnich Aragão para assessorarem a empresa em uma eventual transação com a Estácio.

      Curtir

      • A Kroton e a Estácio confirmaram que os conselhos de administração de ambas as empresas aprovaram proposta para fusão de seus negócios. O acordo será, agora, submetido aos acionistas das companhias em assembleias gerais extraordinárias (AGEs), sendo que a operação e a incorporação de ações dependem do aval do CADE. A fusão foi aprovada após a Kroton aumentar pela terceira vez sua proposta pela Estácio. A fusão dará origem a uma gigante da educação com 1,6 milhão de alunos, R$ 8 bilhões de faturamento e pouco mais de 20% do mercado de educação superior do País. A relação de troca se manteve em 1,281 ação da Kroton para cada papel da Estácio.

        Curtir

  3. “Processos de Captação e Rematrícula 1T16
    Os processos de captação e rematrículas de Graduação foram concluídos com resultados bastante satisfatórios, especialmente quando considerado o menor número de vagas de FIES disponibilizadas e a piora do cenário econômico observada ao longo dos últimos meses. Dessa forma, durante o 1T16 foram admitidos um total de 102 mil alunos de Graduação Presencial, recuo de 9%
    em relação ao mesmo período do ano passado.”

    Curtir

  4. Kroton resultados 3T15

    A Kroton Educacional S.A. divulgou lucro líquido ajustado do 3T15 de R$ 407,4 milhões, superando os R$ 304,6 milhões do 3T14 em 33,7%. O lucro acumulado de janeiro a setembro de 2015 foi de R$ 1,4 bilhão, ante R$ 880,8 milhões no 9M14 (+56,3%).

    O Ebitda ajustado foi de R$ 508,2 milhões no trimestre encerrado em setembro, 27,4% superior aos R$ 398,8 milhões registrados no 3T14. No 9M15, o Ebitda foi de R$ 1,7 bilhão, ante R$ 1,0 bilhão no 9M14 (+57,2%).

    A receita líquida foi de R$ 1,6 bilhão no 3T15, contra R$ 1,4 bilhão no 3T14 (+9,9%). Para o 9M15, a receita acumulada foi de R$ 3,9 bilhões, contra R$ 2,5 bilhões no mesmo período do ano anterior (+54,6%).

    Curtir

  5. Kroton: Empresa confirma venda da Uniasselvi por até R$ 1,1 bi.

    O grupo educacional Kroton, em fato relevante divulgado há pouco ao mercado, confirmou a venda da catarinense Uniasselvi por até R$ 1,105 bilhão, conforme
    antecipou o Estadão no último dia 22. Conforme a empresa, no documento de hoje, o contrato foi assinado no último dia 23 e engloba a venda da totalidade das
    participações societárias detidas pela Kroton na Sociedade Educacional Leonardo da Vinci S/S Ltda.; ASSEVIM – Sociedade Educacional do Vale do Itajaí Mirim Ltda.;
    Instituto Educacional do Alto Vale do Itajaí Ltda.; Sociedade Educacional do Vale do Itapocu S.S. Ltda.; e Sociedade Educacional do Planalto Serrano Ltda, que
    formam a Uniasselvi. A compradora foi a Treviso Empreendimentos e Participações, controlada pelos fundos TCG, BRL Trust e Vinci Capital Gestora de Recursos. Do
    montante, R$ 400 milhões foram pagos à vista na data de fechamento; R$ 450 milhões serão pagos em cinco parcelas anuais, de 2018 a 2022, corrigidas pela
    variação do IPCA até a data de pagamento da respectiva parcela e até R$ 255 milhões serão pagos na forma de preço adicional, em valor variável a ser calculado
    com base em metas financeiras e operacionais pré estabelecidas, em parcelas anuais, de 2018 a 2022, corrigidas pela variação do IPCA até a data de pagamento da
    respectiva parcela. A Kroton ressaltou que a operação segue o cumprimento de Acordo de Controle de Concentração (ACC), firmado com o Conselho
    Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 14 de maio do ano passado na ocasião da fusão entre a Kroton e a Anhanguera e ainda está sujeita à aprovação do
    próprio órgão antitruste. Ainda conforme a Kroton, ao final do segundo trimestre de 2015, a Uniasselvi possuía sete unidades presenciais e 48 polos de Educação a
    Distância (Ead), com um total de 97,4 mil alunos de ensino superior, sendo 12,8 mil em graduação presencial e 800 mil em pósgraduação presencial; e 500 alunos
    Pronatec (média). Em 2014, a Uniasselvi teve uma receita líquida de R$ 289 milhões, com resultado operacional de R$ 13,2 milhões. A Kroton comprou a Uniasselvi
    originalmente em 2012, por R$ 510 milhões

    Curtir

    • Queiroz

      Não acompanho essa empresa, mas como investidor amador, acho bem difícil fazer um valuation dessas movimentações. Fusão, aquisição, venda são algo bem complexos até para analistas profissionais.

      Eu particularmente foco mais no resultado trimestral oficial das empresas, seu guindance e metas de crescimento.

      Abs

      Curtido por 1 pessoa

    • Queiroz,

      Essa venda não foi voluntária, mas exigência do CADE como condição para viabilizar a fusão com a Anhanguera.
      Penso que não afeta os fundamentos da empresa.
      Provavelmente anunciem uma nova aquisição em breve ou façam uma distribuição extraordinária de dividendos.

      Abs

      Curtido por 1 pessoa

  6. Kroton crescimento de 37% na receita líquida. Novos contratos para o FIES?

    A Kroton espera avanço de 37% da receita líquida e de 19% no lucro líquido em 2015, mesmo sem novos contratos do Fies no 2S15. A projeção de receita líquida
    da Kroton para este ano é de R$ 5,2 Bi.
    A empresa considerou nenhum contrato novo de Fies para o 2S15. Para o lucro líquido, a estimativa é de que aumento 19% sobre 2014, a R$ 1,44 bi, com margem
    líquida de 27,6%. A Kroton também trabalha com expectativa de Ebitda de R$ 1,93 bi em 2015, avanço de 33% sobre 2014. A estimativa para margem Ebitda é de
    37%. A empresa também projetou que seus investimentos no ano serão o equivalente a 7,5% da receita líquida.
    Vale mencionar ainda, sobre o setor de educação, que a presidente Dilma estuda a possibilidade de abrir novos contratos do Fies este ano. A intenção foi
    manifestada à presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Vic Barros, durante encontro com Dilma ontem à noite no Palácio do Planalto. Segundo Vic, a
    presidenta afirmou que “o governo está estudando a possibilidade de abrir novos contratos” no segundo semestre de 2015, o que seria positivo para o setor.

    Curtido por 1 pessoa

    • Eles estão com 3 estratégias para a atual conjuntura, que vale como parâmetros de acompanhamento:
      1- Financiamento de ingresso sem juros enquanto o aluno ñ consegue o fies. Ja esta operacinal.
      2- Caso o aluno ñ consiga o fies em 2016.1, eles terão uma nova linha de financiamento para longo prazo, esse com juros.
      3- Eles estão implantando via EAD um pré-ENEM nas cidades onde eles tem polo.
      Vale apena acompanhar e ver se vai dar certo, são estratégias muito boas.

      Curtir

  7. O resultado do 1T15 foi tão bom como se poderia esperar, tendo em vista que as recentes medidas contrárias ao setor, tomadas pelo Governo, se farão sentir com maior intensidade somente na segunda metade do ano. Foi mais um trimestre com significativo crescimento de receitas e de resultados.

    A Receita Líquida cresceu 91,1%, fundamentalmente porque o 1T14 ainda não havia incorporado os números da Anhanguera, que passaram a ser consolidados apenas a partir do 3T14. No ensino presencial as receitas cresceram 141,9% devido à expansão do número de alunos pagantes advindos, principalmente, da incorporação dos números da Anhanguera. Paralelamente, a Receita Líquida também foi impactada positivamente quando comparada com o 1T14 pelo aumento do ticket médio e pela receita dos alunos do Pronatec, a qual somou R$ 42,4 milhões no 1T15. No segmento EAD, o acréscimo de receitas foi de 63,8%, explicado, principalmente, pela incorporação da base de alunos da Anhanguera, além dos impactos positivos dos processos de captação e rematrículas.

    A base total de alunos (incluindo presencial e EAD) atingiu cerca de 1.100 mil alunos, 73,2% maior que no mesmo período de 2014.

    As despesas totais elevaram-se em 132,2%, sendo 107,5% o aumento do custo de serviços prestados e 161% das despesas operacionais. Esses números revelam o quanto a Anhanguera era menos eficiente que a Kroton, uma vez que sua incorporação fez baixar sensivelmente as margens da empresa. Além disso, a participação de EAD (com maior margem de contribuição) era inferior em seu mix de faturamento. Em vista disso, a empresa vem desenvolvendo intenso esforço de adequação das antigas unidades Anhanguera ao novo padrão. Como resultado, algumas despesas têm caído sensivelmente. A rubrica “pessoal”, que é a mais importante dentro da composição dos custos, teve retração de 28% no segmento presencial e de 23,5% em EAD, se comparadas ao 4T14, quando os números da Anhanguera já haviam sido incorporados.

    O resultado financeiro líquido negativo cresceu exponencialmente (481,6%), mas com participação ainda pequena na formação do resultado líquido.

    A situação financeira da empresa pode ser considerada muito sólida na posição mostrada em 31/03/2015.

    Curtir

  8. Kroton: Apesar da desaceleração, resultado levemente acima do esperado.

    Principais pontos:
    Receita Líquida atingiu R$ 1.287,9M no 1T15, crescimento de 91% com relação ao 1T14 (aquisição Anhanguera).
    Ebitda foi de R$ 554,6M nesse trimestre, com uma margem de 42,8%.
    Lucro Líquido de R$ 455,3M

    Conforme já divulgado na teleconferência do 4T14, a captação e crescimento de base de alunos teve uma boa desaceleração com as mudanças no FIES. Porém,
    os dados foram levemente acima do projetado pela Kroton. A captação de graduação presencial cresceu apenas 4%, nível bem inferior ao histórico mas acima
    do esperado (-5% a 0%). No EAD, o crescimento de captação foi de 8%, dentro do esperado. Com isso, a base de alunos presencial cresceu 5% e a de EAD, 9%,
    ambos acima do esperado, mas em nível bem inferior ao passado recente. Já observamos uma queda expressiva na penetração do FIES na base, que passou de
    61% no 4T14 para 57% no 1T15 (base de graduação presencial). Com relação a base total de graduação o FIES representa 24%. Assim, a receita líquida
    consolidada cresceu 91% (efeito aquisição da Anhanguera) contra o 1T14, uma boa desaceleração, impactada pelo menor crescimento da base e evolução
    menor do ticket médio (Anhanguera tem ticket médio menor). A margem Ebitda também sofreu com a menor margem que a Anhanguera opera, alcançando
    42,8% (6,4pp abaixo do 1T14). Porém, fazendo uma comparação pro-forma, já observamos uma evolução de quase 3pp na margem Ebitda considerando a
    aquisição nos números do 1T14. No resumo, uma resultado levemente acima do esperado. Apesar da forte desaceleração na captação e crescimento da base,
    os números foram acima do projetado pela Kroton. Mesmo com a forte queda na margem, por conta da aquisição da Anhanguera, já observamos uma boa
    evolução na comparação pro-forma. De qualquer forma, continuamos cautelosos com o setor no curto prazo. Acreditamos que os impactos negativos das
    mudanças do FIES devem continuar ao longo do ano, tanto no crescimento, quanto no ticket médio. Outro ponto muito importante para acompanhar é o
    impacto no fluxo de caixa das empresas. Nesse trimestre já observamos uma forte variação no capital de giro da Kroton, por conta das mudanças. Ainda
    enxergamos valor no setor para o longo prazo, mas continuamos cautelosos para verificar os impactos das mudanças ao longo do ano. No setor, seguimos
    preferindo Kroton.

    Curtir

Não postar Links, nem referências à sites Externos, Emails, Telefones.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s