PETR – PETROLEO BRASILEIRO S.A. PETROBRAS

BMFBovespa: PETR3 ; PETR4

A Petrobras é movida pelo desafio de prover a energia capaz de impulsionar o desenvolvimento e garantir o futuro da sociedade com competência, ética, cordialidade e respeito à diversidade.

Somos uma sociedade anônima de capital aberto, cujo acionista majoritário é o Governo do Brasil, e atuamos como uma empresa de energia nos seguintes setores: exploração e produção, refino,comercialização e transporte de óleo e gás natural, petroquímica, distribuição de derivados, energia elétrica, biocombustíveis e outras fontes renováveis de energia.

Líder do setor petrolífero brasileiro, expandimos nossas operações para estar entre as cinco maiores empresas integradas de energia no mundo até 2020 e estamos presentes em 27 países. O Plano de Negócios 2012-2016 prevê investimentos de US$236,5 bilhões.

Frota de Navios  242 (56 de propriedade da Petrobras)
Dutos  30.067 km
Biocombustíveis 7 usinas (5 de produção; 2 experimentais)
Termelétricas 16 usinas
Energia Eólica 4 usinas
Postos  8.356
Fertilizantes  2 fábricas

RI:  petroinvest@petrobras.com.br

Site:  http://www.investidorpetrobras.com.br/pt/home.htm

Fundamentos:  http://fundamentos.mz-ir.com/Default.aspx?c=160&f=762&cc=1&u=1&idm=0

Anúncios

305 comentários sobre “PETR – PETROLEO BRASILEIRO S.A. PETROBRAS

  1. Fato Relevante – Concluída a venda da participação da Petrobras Biocombustível na Guarani
    03/02/2017

    Rio de Janeiro, 03 de fevereiro de 2017 – Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras, em complemento ao fato relevante de 28/12/2016, informa que finalizou, hoje, a operação de venda da totalidade da participação de sua subsidiária integral Petrobras Biocombustível S.A. (“PBIO”) na Guarani S.A. (“Guarani”).

    A operação foi concluída com o pagamento de US$ 202,75 milhões pela Tereos Participations SAS, realizado nesta data, após o cumprimento de todas as condições precedentes previstas no contrato.

    A transação faz parte do programa de parcerias e desinvestimentos que totalizou US$ 13,6 bilhões no biênio 2015-2016. A venda está alinhada ao Plano Estratégico/PNG 2017-21 da companhia, que prevê a otimização do portfólio de negócios, com a saída integral das atividades de produção de biocombustíveis.

    O projeto faz parte das cinco transações que podem ter seus contratos assinados de acordo com a decisão cautelar do Tribunal de Contas da União (TCU), conforme divulgado em fato relevante de 20/12/2016.

    Curtir

  2. Petrobras (PETR4): A cia anunciou na sexta-feira que o Conselho de Administração aprovou a celebração de acordos para encerrar quatro ações individuais contra a estatal que estão em andamento na Corte Federal de Nova York, nos Estados Unidos. Os acordos foram celebrados com a PIMCO Total Return Funds, Dodge & Cox International Stock Fund, Janus Overseas Fund e Al Shams Investments. Por conta destes acordos, a Petrobras vai reconhecer, nos resultados relativos ao terceiro trimestre de 2016, provisão que vai levar em conta o acordo e também o estágio de negociações em andamento com outros autores de ações individuais. A companhia estima que o valor da provisão será de US$ 353 milhões. A estatal lembra que essas quatro ações tramitam em conjunto com outras 23, além de uma ação coletiva contra a Petrobras em Nova York. A companhia afirma que no momento, não é possível fazer uma estimativa confiável sobre o desfecho desta ação coletiva.

    Curtir

  3. A Petrobras negocia a obtenção de mais financiamentos junto a instituições financeiras da China, e as discussões poderão se acelerar esta semana com a presença de uma importante delegação brasileira naquele país, segundo fontes. Até agora, está confirmada a assinatura, na sexta-feira, do contrato de financiamento de US$ 1 bilhão junto ao Eximbank da China, numa cerimônia prevista para o final do seminário econômico Brasil-China, que será realizado em Xangai. Esse crédito é destinado à aquisição de equipamentos e serviços já acertada com fornecedores chineses, como a companhia brasileira anunciou em maio. Mas outras operações continuam em negociação. O presidente da estatal, Pedro Parente, estará em Xangai esta semana, quando o presidente interino Michel Temer e vários ministros participarão do seminário na metrópole chinesa. Em fevereiro, a Petrobras assinou um termo de compromisso com o Banco de Desenvolvimento da China para ter acesso a financiamento no valor de US$ 10 bilhões. O então ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, participou em Pequim da cerimônia de assinatura desse entendimento. Além disso, a petroleira brasileira tem discutido um acordo comercial de fornecimento de petróleo para os chineses, também recebendo antecipadamente certos créditos, segundo fontes. Em 2014, o então vice-presidente Temer, em visita a Pequim, onde foi recebido pelo presidente Xi Jinping, ouviu proposta dos chineses de financiamento em troca de commodities, num esquema parecido com o que fazem com países como Venezuela e Angola. No seminário de Xangai, está prevista também a assinatura de outros contratos e acordos. Entre eles o contrato de compra de 23% das ações da CPFL, a maior companhia integrada de energia do Brasil, pela chinesa State Grid International Development Ltd. As ações pertenciam à Camargo Corrêa e o negócio é estimado em R$ 5,85 bilhões. Também está programada a assinatura de um acordo para investimentos no porto de São Luís (MA) entre a China Communication and Construction Company International (CCCC) e o grupo WTorre. Os chineses entram com participação no Terminal de Uso Privado (TUP) de São Luís, projeto multicargas da WPR, braço de infraestrutura do grupo WTorre. Ainda está para ser confirmada a assinatura de contrato de serviços entre o governo do Maranhão com a empresa chinesa CBSTEEL. O plano é de avançar em investimentos no Estado em setores como energia e siderurgia. O Seminário Empresarial Brasil-China, em Xangai, vai focar nos setores de infraestrutura, agricultura, cooperação industrial, inovação e tecnologia, segundo o Itamaraty. O evento ocorrerá no âmbito da visita de delegação governamental e empresarial de alto nível à China, em paralelo à reunião do G-20 em Hangzhou.

    Curtir

  4. Petrobras registra lucro de R$ 370 milhões após 3 trimestres de prejuízo
    11/08/2016 18h34 – Atualizado às 18h55


    NICOLA PAMPLONA DO RIO

    Depois de três trimestres de prejuízo, a Petrobras registrou lucro de R$ 370 milhões no segundo trimestre de 2016, queda de 30% com relação aos R$ 531 milhões do mesmo período do ano anterior. O balanço da companhia, porém, continua sofrendo com itens não recorrentes, como provisões e baixas no valor de ativos investigados pela Operação Lava Jato.

    O balanço divulgado nesta quinta (11) traz provisão de R$ 1,2 bilhão para pagar benefícios a cerca de 4 mil empregados que aderiram ao plano de demissão voluntária e baixa de R$ 1,1 bilhão no valor do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) após o cancelamento definitivo de algumas fases do projeto.

    O resultado apresenta melhora, porém, com relação ao trimestre anterior, quando a empresa teve prejuízo de R$ 1,246 bilhão. No acumulado do primeiro semestre de 2016, a Petrobras tem prejuízo de R$ 876 milhões.

    Lucro ou prejuízo líquido da Petrobras – Em R$ bilhões

    Segundo o diretor financeiro da companhia, Ivan Monteiro, o balanço do segundo trimestre teve impacto positivo do aumento da produção de petróleo e de derivados, com consequente ampliação das exportações de produtos. As melhores taxas de câmbio e de preço do petróleo com relação ao primeiro trimestre também contribuíram para o desempenho.

    Ele disse, porém, que a tendência é que os efeitos não recorrentes sejam menores daqui para a frente. “O nível (das baixas) está se reduzindo. As ordens de grandeza agora são outras”, afirmou Monteiro. Ao final de 2015, por exemplo, a empresa fez baixas de R$ 49,8 bilhões, refletindo a queda do preço do petróleo e adiamento de projetos.

    A valorização do real frente ao dólar no período ajudou a reduzir o endividamento líquido da estatal, que caiu 15%, de R$ 450,015 bilhões, ao fim do primeiro trimestre, para R$ 387,760 bilhões. Monteiro ressaltou, porém, que o valor ainda é elevado e demanda atenção. “Ainda temos pela frente discussões importantes, como as class actions nos Estados Unidos”, frisou.

    Dívida da Petrobras – Endividamento total (em R$ bilhões)

    Segundo a companhia, o resultado do segundo trimestre reflete maiores exportações de petróleo e derivados e redução nas despesas financeiras, além das melhores condições de câmbio e preço do petróleo com relação ao primeiro trimestre.

    A valorização do real frente ao dólar no período ajudou também a reduzir o endividamento líquido da estatal, que caiu 15%, de R$ 450,015 bilhões, ao fim do primeiro trimestre, para R$ 397,760 bilhões.

    Do ponto de vista operacional, a Petrobras tem melhorado sua produção de combustíveis e, consequentemente, as margens de venda dos produtos.

    No segundo trimestre, a empresa teve superávit de 14 mil barris por dia em sua balança de diesel e de 3 mil barris por dia na de querosene de aviação, combustíveis normalmente deficitários. O déficit nas compras de gasolina caiu à metade, para 24 mil barris por dia.

    A receita da estatal foi de R$ 70,337 bilhões no segundo trimestre, queda de 12% com relação ao verificado no mesmo período de 2015, quando o petróleo estava mais caro. Já a geração de caixa medida pelo Ebitda, caiu 4%, para R$ 20,317 bilhões no mesmo período.

    Os investimentos caíram 25% com relação ao primeiro trimestre, para R$ 11,2 bilhões. No acumulado do ano, a estatal investiu R$ 26,1 bilhões, 25% menor do que no mesmo período do ano anterior.

    Com menos gastos, a empresa fechou o segundo trimestre com fluxo de caixa livre positivo de R$ 10,8 bilhões. Foi o quinto trimestre consecutivo gerando mais dinheiro do que gasta, após anos de perdas com subsídios aos preços dos combustíveis e altos investimentos.

    Resultado líquido da área de abastecimento da Petrobras – Em R$ bilhões

    PREÇO

    O diretor de refino e gás da companhia, Jorge Celestino, disse que a empresa não prevê alterações nos preços dos combustíveis neste momento. “Por enquanto, o cenário não está claro, há uma volatilidade muito grande de preços”, afirmou.

    Curtido por 1 pessoa

    • Petrobras (PETR4): O lucro líquido de R$ 370 milhões acumulado pela cia no 2T16 ficou 82,3% abaixo das expectativas de analistas que acompanham o setor. A média das projeções de instituições consultadas pela Agencia Estado (Bank of America Merrill Lynch, Brasil Plural, Goldman Sachs, Itaú BBA, Morgan Stanley e UBS) apontava para lucro de R$ 2,097 bilhões no período. O Ebitda ajustado de R$ 20,317 bilhões reportado pela estatal no trimestre encerrado em 30 de junho de 2016 veio 4,5% menor do que a média das estimativas dos analistas, de R$ 21,263 bilhões.
      Os fatores que fizeram o lucro da Petrobras no segundo trimestre vir abaixo do esperado por analistas não são recorrentes, afirmou o diretor financeiro da petroleira. O resultado foi afetado, sobretudo, pelas despesas com o programa de demissão voluntária e um impairment de ativos do Comperj. O impairment provocado pela postergação do projeto fluminense teve impacto negativo de R$ 1,124 bilhão.

      Curtir

  5. Petrobras (PETR4): A cia planeja um Plano de Demissão Voluntária (PDV) para a BR Distribuidora, que será estendido aos funcionários de todas as subsidiárias colocadas à venda. O plano já foi aprovado pela diretoria executiva, mas ainda depende de aval do conselho de administração. A medida reforça a estratégia da companhia de reduzir seu tamanho. Será o segundo PDV realizado pela petroleira só este ano. Com o primeiro, a companhia espera desligar até 12 mil funcionários e economizar R$ 33 bilhões em quatro anos.

    Curtir

    • Petrobras (PETR4): A cia divulgará o resultado do 2T16 no dia 11 de agosto, após o fechamento do mercado. A empresa informa que, com isso, entre 28 de julho e a data da divulgação, estará em período de silêncio, durante o qual estará impossibilitada de comentar ou prestar esclarecimentos relacionados aos seus resultados financeiros e perspectivas.

      Curtir

      • Petrobras (PETR4): A cia anunciou a venda de sua participação (66%) no bloco exploratório BM-S-8 para a Statoil Brasil Óleo e Gás. O bloco inclui o prospecto exploratório denominado Carcará e o valor total foi de US$ 2,5 bilhões, sendo US$ 1,25 bilhão (50%) pago no fechamento da operação. Segundo o comunicado da Petrobras,​ ​o restante do valor será pago em parcelas contingentes relacionadas a eventos subsequentes, como a celebração de acordo de individualização da produção (unitização). O bloco exploratório BM-S-8 está localização na Bacia de Santos e é atualmente operado pela Petrobras, com participação de 66%, em parceria com a Petrogal Brasil, que tem 14%, e ​QGEP e Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás LTDA, com 10% cada.

        Curtir

  6. Petrobras (PETR4): O projeto que retira a obrigatoriedade da Petrobras de ser a única operadora de todos os blocos de exploração de blocos de petróleo na camada pré-sal só deve ser votado na Câmara dos Deputados a partir de agosto, disse o relator da matéria, deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA). O parlamentar fez a previsão após avaliar que o atual clima político na Casa, com muitas articulações para a eleição à presidência da Câmara após a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ao posto, e a proximidade do recesso branco devem adiar a análise da proposta para o mês que vem. A proposta retira a obrigatoriedade da Petrobras ser operadora única dos blocos do pré-sal, mas dá a estatal a preferência na escolha sobre ser a operadora desses blocos. A matéria já foi aprovada em comissão especial da Câmara e agora precisa passa pelo plenário da Casa.
    De olho….

    Curtir

    • Petrobras (PETR4): Foi aprovado o pedido de urgência constitucional do projeto de lei que retira a obrigação legal de a Petrobras liderar todos os investimentos no pré-sal. Com o apoio de 337 deputados, o texto ganha prioridade na tramitação em plenário. O projeto elimina a obrigação da Petrobras de atuar em todos os consórcios do pré-sal com pelo menos 30% do investimento e de ser a operadora única em todas as áreas. Pelo texto, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), órgão de assessoramento da Presidência da República e presidido pelo Ministério de Minas e Energia (MME), vai oferecer à companhia o direito de preferência para ser operadora dos blocos a serem contratados sob o regime de partilha. No plenário da Câmara, o texto precisa de maioria simples para ser aprovado.

      Curtir

      • Petrobras (PETR4): A cia decidiu reformular o modelo de busca por sócios na BR Distribuidora, passando a aceitar ofertas pelo controle compartilhado de sua subsidiária de combustíveis, numa operação que deverá ser concluída no início do próximo ano. A decisão foi aprovada pelo Conselho de Administração na sexta-feira, em uma reunião marcada por uma série de medidas que buscam facilitar a obtenção de recursos e cancelar investimentos que não seriam lucrativos para a petroleira em refino. No modelo de venda da BR, haverá uma estrutura societária que envolverá as classes de ações ordinárias e preferenciais, de forma que a Petrobras permaneça majoritária no capital total, mas com uma participação de 49% no capital votante.
        A Petrobras informou ainda que terá uma entrada de caixa de US$464 milhões com a venda de sua subsidiária Petrobras Chile para a Southern Cross Group e que a previsão é de que o negócio seja concluído no prazo de três a quatro meses.

        Curtir

  7. Fundo de pensão da Petrobras registra rombo de R$ 22,6 bilhões

    O principal plano do fundo de pensão Petros, dos empregados da Petrobras, fechou 2015 com deficit de R$ 22,6 bilhões. A companhia e os aposentados terão que pagar contribuição adicional para cobrir o rombo.

    Curtir

    • Petrobras (PETR4): A cia informou que iniciou processo de venda de nove concessões em águas rasas, nos Estados do Ceará e de Sergipe, cuja produção média de 2015 foi de 13 mil barris diários de óleo equivalente, o que corresponde a 0,5% da produção total da companhia. A petroleira não informou estimativas de valor para o negócio. A Petrobras prevê desinvestir pouco mais US$14 bilhões em 2016.

      Curtir

      • Petrobras (PETR4): A cia anuncia recorde mensal na produção total de petróleo e gás natural em junho, de 2,90 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed). O dado ultrapassa o recorde anterior, de agosto de 2015, quando foi de 2,88 milhões boed. Em comparação com maio, o volume cresceu 2%, sendo 2,70 milhões de boed no Brasil e os demais no exterior.

        Curtir

  8. Petrobras déficit da Petros – Mais uma notícia ruim.
    A Petrobras informa que o déficit da Petros está acima do limite da tolerância. Excluindo o limite de tolerância, o montante a ser equacionado é de R$ 16,1 bi.
    Já de acordo com o jornal Valor Econômico, diante da iminência de venda dos gasodutos controlados pela Petrobras, o governo se prepara para fazer uma revisão da Lei do Gás. O objetivo é adequar a legislação atual, sancionada em 2009, a um provável novo cenário de predomínio de agentes privados no setor. “Se a decisão da Petrobras for de não mais atuar como operadora dos gasodutos de
    transporte, tem que haver uma mudança na legislação, seja para quem está interessado em compras os ativos, seja para os consumidores de gás”, disse o ministro Fernando Coelho Filho, em entrevista ao Valor.
    Vale destacar a notícia do jornal O Estado de S. Paulo, depois de pouco mais de um mês de governo, a equipe econômica do presidente em exercício Michel Temer esmiuçou a situação da Caixa Econômica
    Federal e da Petrobrás. Concluiu que, no atual momento, não existe a necessidade de fazer uma capitalização nessas empresas. Na comparação entre as duas, a Petrobrás é a que demonstra o melhor
    quadro. A questão é que esse diagnóstico se baseia numa previsão de melhora da economia.

    Curtir

Não postar Links, nem referências à sites Externos, Emails, Telefones.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s